Como podemos restabelecer a confiança nas empresas para acelerar a retoma da actividade?

Entrevista 28/07/2020

Na qualidade de Diretora Comercial da URIOS, Aurore Petit lida diariamente com diretores de empresas e diretores financeiros. Nesta entrevista, ela explica os problemas que estes enfrentam.

“Esta crise sem precedentes virou do avesso todos os rácios e referências que os gestores de crédito utilizam para avaliar a solidez financeira dos clientes. Basear-se nos anos anteriores já não permite uma avaliação correta. Há uma falta de visibilidade que necessita de uma abordagem para se tomarem decisões seguras”.

Aurore PETIT
Diretrice Commerciale

Como é que as empresas viveram a crise do Covid-19?

Na sua maior parte, eu diria com dificuldade. De um dia para o outro, as empresas tiveram de lidar com a contenção, o que provocou uma grande desorganização das equipas. Apenas aqueles que estavam habituados ao teletrabalho e tinham as ferramentas para o fazer foram realmente capazes de assegurar a continuidade da sua atividade. Obviamente, os sectores do vestuário, retalho e aeronáutica foram provavelmente mais afetados do que outros.

Pela nossa parte, constatámos que a crise sanitária teve um forte impacto nos serviços de contabilidade e cobrança. Isto infelizmente acentuou os problemas de fluxo financeiro.

Do ponto de vista comercial, as negociações, a tomada de decisões e a assinatura de contratos foram adiadas, apesar de muito poucas reuniões comerciais terem sido canceladas. Todos mudaram rapidamente para a videoconferência.

Acha que a transformação digital dos departamentos de cobranças das empresas se tornou uma prioridade?

O facto é que a questão da digitalização deu um salto em frente. As empresas que ainda não estavam convencidas, de um dia para o outro encontraram-se em teletrabalho, com uma quebra na qualidade do serviço. As pessoas encarregadas das cobranças já não tinham acesso aos dados contabilísticos, ao acompanhamento dos pagamentos e dos clientes pendentes. Como podemos fazer a cobrança sem qualquer meio de registo de informações, sem as faturas à disposição? Esta é também a razão pela qual houve muitos atrasos nos pagamentos durante o período de confinamento. Um software de gestão e automatização de cobranças é o próximo passo lógico para muitas empresas.

No entanto, este tópico não é o seu foco principal. O mais importante hoje em dia é assegurar o volume de negócios. Afinal de contas, este é o elemento vital de cada empresa.

“A principal preocupação das empresas é relançar e aumentar o volume de negócios, mas ainda é necessário identificar esse volume de negócios! Para o fazer, é imperativo identificar corretamente a situação financeira dos clientes e, sobretudo, tomar as decisões certas para o futuro. “

Diria que existe uma diminuição de confiança entre os parceiros comerciais?

Não se trata propriamente de uma diminuição de confiança. O que é realmente necessário compreender, como um cliente me explicou, é que as empresas enfrentam atualmente reduções ou mesmo cancelamentos de pagamentos de clientes pendentes cobertos pelo seguro de crédito. Isto deve-se a uma atitude preventiva da sua parte, mas também à falta de visibilidade de que sofrem, uma vez que as suas análises não lhes fornecem informações financeiras em tempo real. Assim, mesmo que as empresas tenham “confiança” nos seus clientes, não desejam navegar cegamente, na incerteza e sem cobertura. Sem seguro de crédito e monitorização, torna-se mais complicado gerir os negócios.

A principal preocupação das empresas é relançar e aumentar o volume de negócios, mas ainda é necessário identificar esse volume de negócios! Para o fazer, é imperativo identificar corretamente a situação financeira dos clientes e, sobretudo, tomar as decisões certas para o futuro.

Não esqueçamos que as empresas estão muito frágeis em termos de tesouraria: durante 2 meses, sem recebimentos, sem faturação, sem ou com muito poucas encomendas e, portanto, sem cobrança. Não vale a pena embarcar numa “corrida” ao aumento das vendas se as cobranças não forem asseguradas, originando problemas de financiamento que as empresas não irão suportar. Especialmente porque os fornecedores se encontram na mesma situação e irão exercer pressão sobre as condições de pagamento. Por conseguinte, será quase impossível conseguir o financiamento por causa dos atrasos dos pagamentos.

É por isso que temos de assegurar o novo volume de negócios a todo o custo. A análise do cliente tem que ser reavaliada. Mas atenção, os gestores de crédito e os departamentos financeiros já não podem confiar em dados financeiros simples, tais como análise de balanço, posição líquida de caixa, demonstração de resultados e saldos de gestão intermédia. Esta crise sem precedentes virou ao contrário todos os rácios e referências que os gestores de crédito utilizam para avaliar o risco do cliente. Basear-se nos anos anteriores já não permite uma avaliação correta do risco do cliente. Há uma falta de visibilidade que precisa de ser abordada para se tomarem decisões seguras.

Como podemos superar a falta de visibilidade sobre a sustentabilidade e a saúde financeira dos nossos parceiros?

Esse é precisamente o nosso trabalho na URIOS! Além disso, a crise também nos abalou. Tivemos de alterar rapidamente os nossos métodos de análise da solvabilidade das empresas. Os nossos analistas financeiros tiveram de encontrar novas soluções para avaliar a solvabilidade e a sustentabilidade das empresas que estudam o mais de perto possível. Hoje, para além de analisarmos a saúde financeira, avaliamos a resiliência, estudando também a saúde do seu ambiente económico. Como é que a empresa funciona? Qual é o seu ciclo de faturação? Como estão os seus clientes e quais são os riscos que podem enfrentar?

Os nossos estudos de solvabilidade da empresa incluem agora uma secção “Foco de Gestão de Crise” que detalha todas as medidas tomadas pela empresa durante a crise, o seu ambiente económico, a força da sua cadeia de abastecimento e uma previsão de fluxo de caixa de 6 meses, não esquecendo os apoios do Governo. Como sempre, complementamos esta informação com entrevistas com os interessados (clientes, fornecedores e parceiros bancários) obtidas durante o inquérito, a fim de certificar dados fiáveis e atualizados.

Desenvolver os nossos estudos de solvabilidade permite-nos responder a duas questões essenciais para restabelecer a confiança entre parceiros e reiniciar a economia: qual é o nível de solvabilidade a curto prazo do meu cliente? Quais são as suas capacidades de resiliência pós-Covid?

Informação Comercial e Financeira

Avaliar a saúde financeira dos seus parceiros, com o objectivo de evitar riscos de insolvência e que permitirá a adaptação às condições de crédito interempresa.

SAIBA MAIS